fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Festival de Inverno de Ouro Preto reergue em meio a tempos difíceis

Por thiagofonseca*

23/07/2018 às 18:15

Publicidade - Portal UAI
Foto: Larissa Pinto / Divulgação

O Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana foi um dos primeiros  do gênero no Brasil. Viveu momentos gloriosos e outros bem difíceis. Neste ano, chegou à sua 51° edição. Após 17 dias de atuação em três cidades mostrou que é hora de manter a qualidade, aproximar a população da cultura e mostrar uma cidade diferente.

A prefeitura da cidade de Ouro Preto registrou nos dias do Festival a maior taxa e ocupação nos últimos dez anos. Noventa por cento dos hotéis e pousadas estavam cheios. O evento – e também o período de férias – contribuíram para isso. Os números da produção também chamam atenção: mais de 250 pessoas envolvidas nas três cidades que o evento ocupa. Em Ouro Preto, Mariana e João Molevade foram os alunos, funcionários e professores da Universidade Federal que colocaram a mão na massa.

São eles que fazem o evento acontecer. Alguns assumem cargos altos. Foram selecionados por meio de edital e receberam uma bolsa. Ainda teve aqueles que se inscreveram como voluntários. Outros participaram por meio das agências juniores. Foram seis ao todo.

A aluna Marina Santos acompanha o Festival há alguns anos e há dois decidiu que era hora de participar na produção. Logo se inscreveu como bolsista. Foi ela, e mais uma amiga de república, que ficaram responsáveis pelos camarins dos shows na Praça da Ufop. “Gosto muito do evento. Um dos maiores da cidade. Envolve muita gente e é uma oportunidade de abraçar a população. Saio daqui diferente por conta da troca”, conta.

Neste ano, o Festival de Inverno apresentou uma homenagem ao Tropicalismo. Movimento de inovação estética e musical que sacudiu o ambiente da cultura popular brasileira entre 1967 e 1968. “O Tropicalismo marcou época e influencia até hoje diferentes movimentos artísticos. Uma vez que, trouxe uma quebra de paradigmas e uma afirmação do que é brasileiro. Um movimento de resistência e liberdade que casa com o cenário atual”, explica Marcos Knupp, coordenador geral do Festival.

 

 

Escassez de recursos

As prefeituras e algumas empresas parceiras também ajudaram na realização. Entretanto, a falta de patrocínio, mesmo com lei de incentivo aprovada, afetou. “O Festival era patrocinado pelas grandes mineradoras. Com a crise elas frearam o patrocínio. O que fizemos foi buscar parcerias para não afetar na qualidade do evento. O que mais impacta é na remuneração dos artistas. Gostaríamos de pagar melhor”, diz Marcos.

Mesmo com a escassez, foram mais de 400 atrações nas três cidades ao longo de 17 dias. Quase um quarto a mais que no último ano. Além disso, o Festival ampliou o Circuito Natureza e Gastronômico, reativou as atividades da Caravana Festival e envolveu mais as cidades. “Nosso foco este ano foi descentralizar a programação. Com a Caravana levamos cultura para todos os 13 distritos de Ouro Preto. No Circuito Natureza ampliamos as caminhadas para o Parque Municipal das Andorinhas e o Parque Estadual do Itacolomi”, pontua o coordenador.

 

As ruas de Ouro Preto ficaram cheias durante o Festival – Foto: Tainara Torres / Divulgação

 

Programação diversificada

As atrações culturais foram selecionadas por meio de uma equipe de curadores. Todos profissionais da Ufop ou de instituições parceiras, como por exemplo, o IPHAN. Os grupos se inscreveram no edital e foram selecionados de acordo com proposta do Festival. Uma novidade desta edição foi o edital interno para alunos o funcionários da Universidade apresentarem seus projetos culturais. Uma programação que incluía teatro, dança, música, exposição, educação, meio ambiente e lazer.

Sendo assim, os maiores destaques na programação foram as apresentações da banda “Francisco, el hombre”, “Orquestra de Ouro Preto”, “Dolores 602” e “Fractal Orchestra”. Destaque também para “Boca de Ouro”, do Grupo Oficcina Multimédia e do espetáculo de dança “Outro em si”, da Cia Sesc de Dança. A programação local teve espaço e ocupou o palco da Praça da Ufop, o Bar do Festival e o Corredor Cultural espalhado pela cidade.

Cultura em diversos espaços

Em 2018 o Festival também procurou levar a cultura para os bairros periféricos e mostrar aos visitantes uma Ouro Preto diferente do centro histórico. Dessa maneira, cada dia um distrito de Ouro Preto recebia uma atração cultural.

Entretanto, mesmo ampliando e tentando abarcar a todos tem gente que acha que ainda é preciso melhorar. A moradora Rosana Silva, de 53 anos, vê a importância do evento mas aponta sugestões. “Os moradores da cidade ainda ficam à margem por conta da programação mais centralizada. Uma sugestão seria inserir a população mais na programação. Como por exemplo, chamar os artesãos para expor os trabalhos na rua”.

 

Circuito Natureza aproximou o público dos Parques da cidade – Foto: Tuila Dias / Divulgação

 

Circuito Natureza

Foi por meio do ‘Circuito Natureza’, por exemplo, que a cidade é vista pela margem. O programa consiste em caminhadas ecológicas pelos parques, cachoeiras, morros e minas. No último sábado, dia 21, a caminhada foi no Morro da Queimada. Uma trilha de mais de quatro horas.

Durante o trajeto o público teve a oportunidade de ter uma vista panorâmica de todo o centro histórico. A caminhada foi mediada pelo diretor de projetos e áreas protegidas da secretaria de meio ambiente de Ouro Preto, Edenir Ubaldo Monteiro. Dessa forma, cada parada ele contava sobre a história de uma Ouro Preto desconhecida. Durante o percurso Edenir explicou, por exemplo, como era feita a extração de ouro do morro e fez um resgate histórico emocionante sobre a memória dos escravos. O impacto das queimadas, as dificuldades de combate a incêndios e a importância da preservação do meio ambiente também foram temas colocados em pauta.

Festival de Inverno 2019

O Futuro do Festival não é segredo. Segundo Marcos Knupp a edição 2019 é certa. A proposta é ampliar ainda mais. “Vamos fazer um festival melhor que este ano”. A expectativa é que possa conseguir captar recursos para desenvolver o projeto de maneira robusta. E por fim, manter a proposta que é aproximar a Universidade da população, fomentar a cultura e a economia local.

 

 

photo

Exposição ‘Empresta-me teus olhos?’ é uma provocação à empatia

Por Tainá Silveira* A exposição “Empresta-me teus olhos?” que está no térreo do Centro Cultural Banco do Brasil de BH é uma provocação à empatia. O próprio nome diz isso. As 60 obras, expostas na parte do museu que menos chama atenção dos visitantes,  são de pacientes de Centros de Convivência da Saúde Mental da […]

LEIA MAIS
photo

Startup mineira abre cursos EAD na área cultural

Cursos como  ‘Gestão e Política Cultural na América Latina’, ‘Comunicação Social para Organizações’ e outros cinco em modelo EAD serão os primeiros a integrar a grade de cursos da startup mineira Inspira. A Escola de Gestão e Cultura está com inscrições abertas. As aulas serão entre agosto e novembro e serão dentro de uma plataforma […]

LEIA MAIS
photo

Karol Conká tomba Inhotim com espontaneidade e discurso feminista

Um dia no MECAInhotim: Observações de quem perambulou  pelo Inhotim durante dez horas entre as atrações do ‘festival multicultural’ A Karol Conka das entrevistas, do discurso, já conhecia. Curiosidade era ver como isso também se transformava em performance. Depois da passagem dela pelo MECAInhotim, na noite do sábado 08 de julho, é fácil constatar que […]

LEIA MAIS