fbpx
Curadoria de informação sobre artes e espetáculos, por Carolina Braga

Confira dicas de como explorar a exposição Basquiat no CCBB-BH

Por carolbraga*

18/07/2018 às 15:20

Publicidade - Portal UAI
Foto: Agência Galo / Divulgação

Se quando você começar a explorar as obras do Basquiat no CCBB-BH surgir um pensamento tipo, “o que isso está fazendo dentro de um museu”, não se preocupe? O processo é este mesmo. De maneira idêntica, nem o curador, o holandês Pieter Tjabbes, escapou dessa primeira impressão.

“Eu organizei esta exposição como uma dívida de honra que tenho com Basquiat”, confessou. Isso porque quando ainda era estudante de história da arte na Holanda, Pieter visitou uma exposição e saiu de lá indignado com o quadro do pintor nova-yorkino. Hoje não tem vergonha em reconhecer que naquela altura achou um absurdo a obra estar dentro de um museu.

Eles chegaram até se encontrar em um dos eventos de arte da Europa e Basquiat foi solenemente ignorado por Pieter. “Foi um despreparo meu. Não consegui observar a importância dele no momento em que estava criando. Assim, precisei de um espaço de 30 anos para estudar e refletir”, reconhece. Hoje, não tem a menor dúvida sobre a força e atualidade da arte de Basquiat. Não é à toa que assina curadoria da Exposição do artista que até o dia 24 de setembro ocupa o CCBB-BH. São 80 peças na exposição.

Então, para quem não é muito familiarizado com as artes plásticas, a dica do curador é observar a obra e interpretá-la com o auxílio dos textos e do áudio guia. Diante de cada quadro QR code que o visitante pode escanear e ouvir no próprio celular. Basquiat tem forte influência da arte de rua. Inclusive, começou a carreira no grafite, linguagem que deixa marcas ao longo de toda carreira.

 

[youtube modulo=”2″]erJK3Ij2aa8[/youtube]

 

Confira a seguir alguns elementos para prestar atenção quando estiver diante das pinturas.

Palavras

As palavras para Basquiat tem dupla “função”. Além de ser texto, em si, também são imagens na composição do todo dos quadros. Inclusive, raramente o trabalho dele tem um elemento central. São justaposições de imagens, letras, traços, símbolos. Inclusive textos riscados. “Seu uso abstrato de palavras e letras também reflete uma compreensão sofisticada da abstração modernista da linguagem remetendo a Gertrude Stein”, como descreve Jeffrey Deitch no catálogo da exposição.

Coroa e Setas

O uso símbolos é frequente na obra de Basquiat. Se você reparar, verá que em grande parte dos quadros que compõem a Coleção Mugrabi, aparecem setas e/ou coroas. São marcas registradas dele. A constante presença da coroa, inclusive, faz com que historiadores de arte pirem um pouco em busca de seu significado. Pode representar tanta, mas tanta coisa que prefiro deixar para que você tire as próprias conclusões.

Anatomia

Uma das curiosidades que o curador Pieter Tjabbes gosta de contar é o fascínio que Basquiat tinha pela anatomia humana. Aos sete anos ele sofreu um acidente e precisou ficar um mês no hospital. Para o período de repouso ganhou da mãe um Atlas de Anatomia, que influenciou toda a carreira. Pintou muitas costelas, pés, mãos, ossos. As figuras que aparecem na obra de Basquiat são totalmente frontais. Ou seja, não há tridimensionalidade.

Sem assinatura

Por fim, uma curiosidade: nenhum dos quadros de Basquiat tem assinatura. Pieter sugere algo que transformo em pergunta: será porque ele se sentia autoral demais?

photo

Grupo Corpo resiste a clichês e faz bela homenagem a Exu em nova coreografia

O Grupo Corpo recebeu a imprensa em sua sede nesta segunda (17) cheio de novidades. A principal delas é Gira, novo balé da companhia. É a 39º montagem da carreira! Como de costume, a estreia será no Teatro Alfa, em São Paulo, no dia 04 de agosto. Estará em cartaz em Belo Horizonte entre os […]

LEIA MAIS
photo

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 01 de dezembro

O aniversário de BH já bate à porta. A programação gratuita espalhada pela cidade começa este final de semana e vai até o dia 12. Fora isso, tem peça famosa nos anos 90 de volta e uma adaptação de Agatha Christie no cinema.   Milton Nascimento e Tiago Iorc Milton Nascimento sempre curtiu estar entre […]

LEIA MAIS
photo

Culturadoria com as dicas para o seu fim de semana: 30 de março

Culturadoria prontíssima para seu radar cultural. A Semana Santa impactou nossa agenda. Ainda assim, temos na cidade representantes da nova geração da música independente, discussão sobre o fim do mundo no teatro e estreias de ‘responsa’ no cinema.     [youtube modulo=”2″]DIyCHcT-zwQ[/youtube] ZAMA O cinema da diretora Lucrécia Martel nunca é opaco. Ela sempre tem […]

LEIA MAIS